Cinco copos de vinho tinto por mês pode ajudá-la a engravidar, revela um estudo norte-americano

Cinco copos de vinho tinto por mês podem ajudá-la a ficar grávida sugere estudo que encontrou um vínculo entre a bebida e os ovários mais saudáveis

  • A Faculdade de Medicina da Universidade de Washington nos EUA realizou a pesquisa
  • Examinou o efeito do álcool na fertilidade, já que os achados anteriores eram “conflituantes”
  • Estudaram 135 mulheres com idade entre 18 a 44 anos e mediram a reserva de ovário
  • As mulheres que bebiam vinho tinto de forma moderada tiveram a maior reserva de ovário

Se você está tentando engravidar, o conselho atual do NHS (o sistema de saúde inglês) é abster-se completamente do álcool.

Mas uma quantidade moderada de vinho tinto – não mais de cinco copos por mês – poderia realmente aumentar as chances de conceber, sugere a pesquisa.

O estudo encontrou uma ligação entre beber vinho tinto e ovários saudáveis que produzem mais ovos. O vinho branco, a cerveja, os espirituosos ou mais de cinco copos de tinto por mês não tiveram o mesmo efeito.

Os médicos disseram que o álcool deve ser evitado ao tentar engravidar para evitar prejudicar o desenvolvimento na concepção.
Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington nos Estados Unidos buscaram examinar o efeito do álcool sobre a fertilidade porque os achados anteriores eram “conflituantes”.

Os cientistas studaram 135 mulheres com idades compreendidas entre os 18 e os 44 anos e mediram a reserva de ovário.

A reserva de Ovário é a capacidade dos ovários para produzir óvulos saudáveis, que é medido contando os folículos antrais que os produzem.

A contagem de folículo antral (AFC) é a maneira padrão de avaliar a fertilidade de uma mulher. O número típico de uma mulher em seus 30 anos é de cerca de 12 ou 13, mas isso diminui ao longo do tempo.
As mulheres que beberam quantidades moderadas de vinho tinto encontraram a maior reserva de ovário. Os pesquisadores, liderados pelo Dr. Ashley Eskew, escreveram: “O impacto de fatores de estilo de vida, incluindo padrões de dieta e consumo de álcool na reserva de ovário, são conflituantes”.
O objetivo deste estudo foi determinar se a ingestão de álcool está associada à reserva do ovário conforme determinado pela AFC.
Os resultados serão apresentados na Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva em San Antonio, no Texas. No entanto, outros especialistas instaram à cautela, afirmando que é necessário um estudo em grande escala antes de se tirarem conclusões definitivas.
O chefe da British Fertility Society, Adam Balen, disse: “Este é um estudo interessante, embora com um pequeno tamanho de amostra, o que significa que não atinge significância estatística.

É uma ideia interessante que uma pequena quantidade de vinho tinto possa estar positivamente associada à reserva do ovário.

“No entanto, devemos lembrar que a exposição do feto em desenvolvimento ao álcool pode causar danos irreversíveis ao desenvolvimento e, portanto, o consumo de álcool deve ser inferior a seis unidades por semana para as mulheres que desejam conceber”.

E a Dra. Channa Jayasena, palestrante em endocrinologia reprodutiva no Imperial College de Londres, advertiu as mulheres a não se “apressarem” a beber vinho tinto.

Ela disse: “Existe muito interesse em saber se os antioxidantes podem melhorar a fertilidade em homens e mulheres. É tentador dizer às mulheres que se apressem e bebam vinho tinto, que contém antioxidantes, mas este estudo não apoia isso.

O debate continuou sobre o tema se as mulheres grávidas deveriam se abstender do álcool depois de grávidas – conforme recomendado pelo NHS.

Pesquisadores da Universidade de Bristol, no mês passado, alertaram que havia evidências “surpreendentemente limitadas” de que beber até quatro unidades por semana pudesse causar deficiências ou defeitos de nascença.

(fonte: Daily Mail)