EDP pagou 0,7% de IRC em 2017, refere o Expresso

EDP pagou 0,7% de IRC em 2017, refere o Expresso

Sempre que vejo alguém atacar a EDP fico com urticária. Uma empresa que é responsável, li eu nos jornais, por os velhos pobres morrerem de frio por não terem dinheiro para pagar as astronómicas facturas da electricidade, uma empresa dessas, deve ser acarinhada.

(Se acham que estou a ser populista com esta questão é porque não vivem em regiões do país onde é imperativo aquecer a casa. E quem o fizer, com facilidade vê a factura ultrapassar os 50 euros. Essa é a razão porque os velhos com menos possibilidades morrem de frio! Porque não podem pagar estes valores)

Aliás, uma empresa que pagava em 2009 ao sr. mexia 8.502 euros e cinquenta cêntimos por dia, incluindo sábados, domingos e feriados, só pode ser uma empresa fantástica (presume-se que pague muito bem aos funcionários, também). Presentemente nem sem quanto ganha esse senhor, e pouco me importaria, não se desse o caso de ser à custa de explorar os pobres (e o custo da energia em Portugal é dos mais caros da Europa!). Curiosamente, apesar de ganhar tanto, recentemente foi constituído arguido!

Vem isto a propósito dos artigos nos jornais que anunciam que a EDP não paga impostos. Ou paga quase nada.

Não paga nem deve pagar, para que o ramalhete da incompreensão fique completo. Para pagar impostos, lá estão os assalariados, que são muitos, e já estão habituados.

Tudo na EDP é um espanto para mim. A primeira, é que não consegui até hoje perceber os contornos do negócio (nem eu nem o Tribunal de Contas).  Senão vejamos: o estado português vendeu ao estado chinês(!) por 2,7 mil milhões de euros parte do capital social de uma empresa que gera mais de 1000 milhões de euros de lucro por ano? Alguém entende este negócio?

Pode haver alguma explicação e falou-se na dívida da empresa, na necessidade de a capitalizar, mas eu pergunto, a EDP é rentável para o estado chinês e não é rentável para nós? E faz sentido vender empresas consideradas de importância estratégica ao estado chinês?! Algum país importante da Europa o fez ou faria?!

Seja como for, ter visto o sr. portas a celebrar a venda da empresa  enquanto bebia um porto, é uma das lembranças mais tristes que consigo recordar na política portuguesa.

Em cima de tudo isto, a revista Sábado vem agora afirmar que “Manuel Pinho é suspeito de ter beneficiado em mais de 1,2 mil milhões de euros a maior empresa de energia nacional”. Tudo isto à custa do contribuinte que na maioria ganha como se sabe 600€!

Novamente, tudo isto acontece quando temos um governo de esquerda. Não se percebem do que eles têm medo. Não é justo pensar que seja pelas mesmas ou semelhantes razões que foram apontadas a essa pérola da política portuguesa que se dá pelo nome de Manuel Pinho. Mas então porque será?

luís lemos