As formigas também têm personalidade! Estudo descobre que umas são mais exigentes do que outras

As formigas também têm personalidade! Estudo descobre que algumas são exigentes na escolha ninho, enquanto outras aceitam qualquer coisa.

– Formigas com diferenças de personalidade podem ajudar uma colónia a encontrar um novo ninho

– Quando um ninho de formigas é destruído, elas têm que encontrar um novo para a colónia

– Algumas formigas são mais exigentes do que outras quando se trata de patrulhar a área para uma nova casa

– Formigas exigentes são mais úteis para a colónia encontrar um novo ninho, porque elas são mais propensas a visitar mais locais, levando a um melhor possível novo ninho.

Cientistas descobriram que formigas com diferenças de personalidade podem ajudar uma colónia a encontrar um melhor novo ninho.

Quando um ninho de formigas é destruído por um animal ou um outro evento, como o tempo, elas têm que encontrar um novo ninho – e algumas formigas são mais exigentes do que outras quando se trata de ir em procura de uma nova casa.

O que comem as formigas? Saiba mais sobre os hábitos alimentares das formigas

Os pesquisadores sugerem que as formigas exigentes são mais úteis para a colónia encontrar um novo ninho, porque elas são mais propensos a visitar mais locais, eventualmente levando a um melhor possível novo sítio para sua colónia.

A pesquisa, publicada na revista Proceedings da Royal Society, foca-se num tipo particular; as formigas de rocha (rock ants).
As formigas de rocha são comuns na Europa e vivem nas ranhuras que se formam entre rochas. Isso as coloca em risco de ter seus ninhos destruídos por outros animais e também pelo eventos climáticos.

Se os seus ninhos são destruídos, as formigas têm de procurar para encontrar um novo local para a colónia  viver; mas elas têm um conjunto particular de regras que aplicam, ao escolher o local que servirá de ninho.

O teto tem que ter uma altura de aproximadamente 2mm, uma abertura de 1.5mm na entrada, pouca luz, e o interior tem que ser aproximadamente 20 centímetros quadrados de tamanho.

O estudo, conduzido por pesquisadores do Ant Lab da Universidade de Bristol, utilizou 160 formigas individuais – 16 de cada dez diferentes colónias.

Os pesquisadores descobriram que algumas formigas toleravam viver em qualquer um dos ninhos que encontravam – o que demostravam ao espalhar feromonas (feromónios no léxico brasileiro). Algumas, mas não todas.

Outras formigas, no entanto, eram mais exigentes. E estas eram as mesmas formigas que se comportavam de maneira que sugeriam que não estavam felizes com o ninho escolhido.

Quanto mais ideal um ninho, mais tempo a formiga passa lá emitindo sinais através da segregação de feromonas para que as outras formigas se juntem a elas.

O Dr. Thomas O’Shea-Wheller, pesquisador principal da equipa, disse ao New Scientist: “A capacidade da colónia de encontrar novos locais de nidificação depende de haver algum desejo de pesquisar”.

“É útil para a colónia ter algumas formigas que são exigentes.”
As formigas também mostraram que poderiam aprender com a experiência.

Os pesquisadores mudaram a ordem em que apresentaram os três ninhos de qualidade diferentes para as formigas, e seu comportamento foi influenciado pelo ninho que tinham visto primeiro.

“Descobrimos que, se passaram de excelente para bom, perceberam que o bom não era tão bom como o que tinham visto primeiro”, disse o Dr. O’Shea-Wheller.

A mesma observação foi feita em sentido inverso. As formigas que viram o pior ninho (o de pior qualidade, nos critérios delas, apontados acima) passaram primeiro uma quantidade maior de tempo em um bom ninho que encontraram depois.

Curiosidades sobre formigas: Factos extraordinários sobre formigas que talvez você não saiba

Os pesquisadores sublinharam que este tipo de aprendizagem foi observado antes ao nível da colónia, evitando esta assim, ninhos maus que tinham sido inspecionados por outras formigas, mas [este comportamento – a eventual aprendizagem] não foi observado em formigas individuais.

No entanto, os pesquisadores ainda não tem certeza do que causa essas diferenças. Pode ser devido a diferenças nos níveis hormonais ou o número de receptores sensoriais que as formigas têm, ou mesmo fatores demográficos, como seu tamanho corporal ou idade.

(fonte: Daily Mail)